.

.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Cuidados com a pele no verão

Durante o verão, aumentam as atividades realizadas ao ar livre. A radiação solar incide com mais intensidade sobre a Terra, aumentando o risco de queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Por isso, não podemos deixar a fotoproteção de lado. Veja a seguir dicas para aproveitar a estação mais quente do ano sem colocar a saúde em risco.

Roupas e acessórios



Além do filtro solar (nosso de todo dia), no verão é importante usar chapéu e roupas de algodão nas atividades ao ar livre, pois  retêm cerca de 90% das radiação UV.  Tecidos sintéticos, como o nylon, retêm apenas 30%. Evite a exposição solar entre 10h e 16h (horário de verão). As barracas usadas na praia devem ser feitas de algodão ou lona, materiais que absorvem 50% da radiação UV.  Outro objeto que tem extrema importância são os óculos de sol, que previnem cataratas e lesões á córnea.

Filtro solar


O verão é o momento de intensificar o uso de filtro solar, que deve ser aplicado diariamente, e não somente nos momentos de lazer.  Os produtos com Fator de Proteção Solar (FPS) 15 ou 20 podem ser usados no dia a dia; e o FPS 30 ou superior  é ideal para uma exposição mais longa ao sol (praia, piscina, pesca etc.).
O produto deve proteger contra os raios UVA (indicado pelo PPD) e contra os raios UVB (indicado pelo FPS). Aplique o produto 30 minutos antes da exposição solar, para que a pele o absorva. Reaplique-o a cada duas horas, mas fique atento, esse tempo diminui se houver transpiração excessiva ou se você entrar na água. Aplique o protetor uniformemente em todas as partes de corpo, isso inclui mãos, orelhas, nuca, pés
Uma dica bacana é que o uso de fluidos siliconados nas pontas dos cabelos impede que eles se danifiquem com o vento, calor ou maresia. Não se esqueça de proteger as cicatrizes. Quando novas podem ficar escuras se não forem protegidas. Se antigas podem desenvolver tumores na pele, apesar de ser um evento raro. Pode ser colocado o filtro na própria cicatriz ou protegê-las com adesivos ou esparadrapos.
Em crianças, inicia-se o uso do filtro solar a partir dos seis meses de idade, utilizando um protetor adequado para a pele sensível da criança, de preferência os filtros físicos. Você pode pedir orientação a um pediatra ou a um dermatologista sobre qual o melhor tipo para cada caso. É preciso que as crianças e jovens criem o hábito de usar o protetor solar diariamente, pois 75% da radiação acumulada durante toda a vida ocorre na faixa entre 0 e 20 anos.
Alerta: As pessoas de pele negra têm uma proteção “natural” da pele, pela maior quantidade de melanina produzida, mas não podem esquecer da fotoproteção, pois também estão sujeitas a queimaduras, câncer da pele e outros problemas. Assim como as pessoas de pele mais clara, precisam usar filtro solar, roupas e acessórios apropriados diariamente. Ótimo!

HÁBITOS DIÁRIOS

As temperaturas mais quentes exigem hidratação redobrada, por dentro e por fora. Aumente a ingestão de líquidos no verão e abuse da água, suco de frutas e da água de coco. Todos os dias, aplique um bom hidratante, que ajuda a manter a quantidade de água na pele entre 10% a 30%.
Alguns alimentos podem ajudar na prevenção dos danos que o sol causa à pele, como cenoura, abóbora, mamão, maçã e beterraba, pois contêm carotenóides, substância que se deposita na pele e retém as radiações ultravioletas. Esta substância é encontrada nas frutas e legumes de cor alaranjada ou vermelha.
No verão estamos mais dispostos a comer alimentos saudáveis, carnes grelhadas, alimentos crus e cozidos. Frutas e legumes com alto teor de água e com baixo teor de carboidratos e muitas fibras também são muito comuns nesta época. Aposte nestes alimentos para ajudar na hidratação do corpo, prevenir doenças e os sinais do envelhecimento.
No banho, use sabonetes compatíveis com o tipo de pele. A temperatura da água deve ser fria ou morna, para evitar o ressecamento.

DOENÇAS DE PELE

A combinação sol, praia, areia ou piscina mais o excesso de suor elevam o risco de algumas doenças da pele. Saiba mais a seguir.

Micoses




As micoses podem se manifestar na pele, no couro cabeludo e nas unhas. Vale lembrar que ninguém está livre delas, crianças, jovens, adultos e idosos. Os pés, a virilha e as unhas são os lugares mais comuns em que elas aparecem, mas isso não significa que outras partes do corpo estejam livres das terríveis micoses. São infecções causadas por fungos que se alimentam da queratina presente nesses locais. Quando encontram condições favoráveis ao seu crescimento, como: calor, umidade, baixa de imunidade ou uso de antibióticos sistêmicos em longo prazo, estes fungos se reproduzem e passam então a causar a doença.
A melhor forma de evitar as micoses é mantendo hábitos de higiene, como: secar-se após o banho, principalmente áreas de dobras da pele, como virilha, entre os dedos dos pés, axilas. Não andar descalço em pisos constantemente úmidos (lava-pés, vestiários, saunas). Usar somente o seu material de manicure. Evite usar calçados fechados o máximo possível.  Opte pelos mais largos e ventilados.

Brotoejas



Aquelas pequenas bolinhas na pele também costumam dar o ar da graça nos dias de calor. Elas surgem principalmente em bebês por conta do contato da pele com o suor nas “dobrinhas” da pele ou das roupas. Elas aparecem quando há entupimento das glândulas sudoríparas. Podem ser bolhas transparentes e podem não coçar quando a obstrução for superficial; ou avermelhadas e coçarem muito quando a obstrução dos canais das glândulas por mais profundo. Usar roupas frescas no calor, evitar locais muito abafados que propiciam a sudorese excessiva, são algumas dicas para evitar brotoejas, principalmente em pessoas predispostas.

Manchas e sardas brancas






As manchas e as sardas brancas surgem devagar e quando menos se espera, elas estão lá fixadas na pele como mini-pontinhos. Elas são danos que os raios solares causaram na pele e aparecem como tempo.
As manchas são conhecidas como manchas senis, ou melanoses solares. Em geral, são manchas escuras, de coloração entre castanho e marrom, geralmente pequenas. Surgem em áreas que ficam muito expostas ao sol, como a face, o dorso das mãos e dos braços, o colo e os ombros.
As sardas brancas aparecem quando há ação acumulativa da radiação solar sobre áreas de pele expostas ao sol de forma prolongada e repetida ao longo da vida, provocando alterações nos melanócitos.
A melhor forma de evitá-las é não se esquecendo do protetor solar para que não apareçam novas lesões. As manchas e sardas têm tratamento, feito por um dermatologista especializado. Ele irá avaliar sua pele e as lesões e indicar o melhor tratamento.
Essas lesões são benignas, não evoluem para o câncer da pele; entretanto, são marcadores de fotoexposição e fotodano. Por esse motivo, o acompanhamento regular desses pacientes com dermatologista, é fundamental para uma perfeita avaliação e acompanhamento.

Acne solar



É provocada pela mistura da oleosidade da pele com o uso do filtro solar. Lave o rosto com sabonete ideal para o tipo de pele, use tônicos mais adstringentes e procure usar filtros solares com base aquosa ou em gel, esses produtos deixam a pele mais seca, o que pode diminuir a oleosidade da pele.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Dia 20 em Sousa

Dia 20 de janeiro atendendo na Clínica Espaço Vida. Ligue e marque sua consulta 83 3522 2500 durante todo o dia.


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Coceira na Pele

Coceira na pele é uma sensação desconfortável, irritante que pode tornar a coçar irresistível. Parece simples. Quando você coçar, você arranhar. Mas a coceira na pele pode ter centenas de causas possíveis. Também conhecida como prurido, coceira na pele pode ser o resultado de uma erupção cutânea ou de outra condição, como a psoríase ou dermatite

Coceira na pele pode ser um sintoma de uma doença interna, como insuficiência renal ou doença hepática. Apesar de coceira, a pele pode parecer normal. Ou pode ser acompanhada por vermelhidão na pele, pele áspera, inchaços ou bolhas.


Identificar e tratar a causa subjacente de coceira na pele é importante para o prurido a longo prazo.
Coceira na pele possui tratamentos que incluem medicamentos, curativos molhados e terapia de luz. Medidas de autocuidado, incluindo produtos anti-coceira e banhos frescos, também podem ajudar.

Coceira na pele pode ocorrer em áreas pequenas, como em um braço ou perna. Ou todo o seu corpo pode sentir coceira. Coceira na pele pode ocorrer sem qualquer alteração visível na pele. Ou ele pode ser associado com:
  • Vermelhidão
  • Inchaços, manchas ou bolhas
  • Pele seca e rachada
  • Textura coriácea ou escamosa da pele

Às vezes a coceira dura muito tempo e pode ser intensa. E quanto mais coçar, mais você vai querer coçar. Quebrar este ciclo de "coça coça" pode ser um desafio.

Quando Consultar um Médico sobre Coceira na Pele

Consulte o seu médico ou consultar um especialista em doenças de pele (dermatologista), se a coceira:
  • Durar mais de duas semanas e não melhorar com medidas de autocuidado
  • É extremamente grave e desconfortável e causa distração de suas rotinas diárias ou impede você de dormir
  • Não pode ser facilmente explicada
  • Afeta todo o seu corpo
  • É acompanhada por outras sintomas como cansaço extremo, perda de peso, alterações nos hábitos intestinais ou frequência urinária, febre ou vermelhidão da pele

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Em Sousa dia 26 de novembro

Atenção clientes. Atendendo dia 26 deste mês pela manhã
. Ligue ja e marque sua consulta pelo 83 3522 2500 Clinica Espaço Vida.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Se aperfeiçoando cada vez mais em Dermatite Atópica

E mensalmente participando de um mestrado em Ciências da Saúde na área de Dermatite Atópica- Na Faculdade de Medicina do ABC em Santo André SP



Conheça um pouco mais sobre o problema
O tratamento para dermatite atópica deve ser orientado por um dermatologista pois, normalmente, demora vários meses até encontrar a forma de tratamento mais eficaz para aliviar os sintomas.
Assim, o tratamento é iniciado apenas com banhos diários com água morna para manter a pele limpa e aplicação de cremes emolientes, como Mustela ou Noreva, 2 vezes por dia para manter a pele bem hidratada e saudável.
Porém, quando estas medidas de tratamento não apresentam resultados, o médico pode aconselhar experimentar outros tratamentos como:


Cremes corticoides, como Betametasona ou Dexametasona: ajudam a aliviar a coceira, o inchaço e a vermelhidão da pele, no entanto, devem ser sempre utilizados sob orientação do médico pois podem agravar os sintomas ou causar infecções, por exemplo;
  • Cremes para reparação da pele, como Tacrolimos ou Pimecrolimos: são cremes que ajudam a aumentar as defesas da pele, mantendo-a com aspecto normal e evitando o surgimento de coceira;
  • Remédios para alergia, como Difenidramina ou Triprolidina: aliviam os sintomas de coceira e ajudam o paciente a adormecer durante crises de dermatite, pois provocam muita sonolência;
  • Fototerapia: consiste na exposição da pele a raios ultravioleta para reduzir a vermelhidão e inchaço das camadas de pele.
  • No caso de dermatite atópica no bebê, é ainda recomendado consultar o pediatra para selecionar o melhor tratamento, uma vez que nem todos os tratamento podem ser utilizados em crianças.
    Sinais de melhora da dermatite atópica
    Os sinais de melhora da dermatite atópica podem surgir após a primeira semana de tratamento e incluem em redução da vermelhidão, do inchaço e da coceira na pele.

    Sinais de piora da dermatite atópica

    Os sinais de piora da dermatite atópica são mais comuns quando não é possível encontrar uma causa para o problema e adequar o tratamento, podendo incluir surgimento de feridas na pele afetada, sangramento, dor na pele e, até, febre acima de 38º. Nestes casos, é recomendado ir ao pronto-socorro para iniciar o tratamento para infecção.


    segunda-feira, 15 de agosto de 2016

    Dra Tamara Abrantes Dia 30 de setembro em Sousa PB

    Dia 30 de setembro  atendimento na Clínica Espaço Vida. Atendimento com hora marcada pelo telefone 83 3522 2500.


    domingo, 5 de junho de 2016

    RADLA O evento mais tradicional da América Latina

    A RADLA, existente desde 1973, é o mais tradicional evento da Dermatologia da América Latina, reunindo os maiores especialistas dos seus países.
    Mais de 100 atividades científicas programadas durante os 4 dias de evento, abrangendo temas da Dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiátrica, em 13 salas, com sessões simultâneas.





    Convidados reconhecidos internacionalmente
    Oito convidados estrangeiros de reconhecida expertise em suas áreas de atuação já têm presença confirmada, compartilhando o estado da arte da Dermatologia.
    Dr. David Cohen (EUA)
    Dermatologia clínica e terapêutica
    Dra. Eulália Baselga (Espanha)
    Dermatologia pediátrica
    Dra. Evangeline Handog (Filipinas)
    Dermatologia estética
    Dra. Francine Blei (EUA)
    Anomalias vasculares
    Dra. Ilona Frieden (EUA)
    Dermatologia pediátrica
    Dr. Jerry Shapiro (EUA)
    Doenças do cabelo e do couro cabeludo
    Dr. Luís Diaz (EUA)
    Dermatoses bolhosas
    Dr. Ronald Brancaccio
    Dermatite de contato

    segunda-feira, 18 de abril de 2016

    Dermatologista


    Tamara Gomes Abrantes Barbosa Moreira

    Formação em  2008.1
    Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte

    Especialização de Dermatogia em Salvador Bahia
    Mestranda na área de imunologia e Dermatite atópica pela Faculdade de Medicina do ABC
    Dermatologia estética e cirúrgica pelo colégio brasileiro de medicina e saúde - universidade Cândido Mendes- Recife -PE

    Dermatogia Salvador- UGF
                            

    Atendendo:
    Clínica Espaço Vida Médicos e Diagnósticos
    Rua Princesa Isabel - 42- Bairro Bancários  - Sousa PB
    Telefone: 83 3522 2500


    Clinica Mais Saúde
    Rua Teobaldo Gomes Torres, 57 Centro Ouricuri PÉ
    Telefones: 87-981087274/ 3874 1343
    Clinicenter Cariri:




    Clínica Dr Humberto Macário
    Rua Coronel Antônio Luiz, 1043 Bairro Pimenta Crato CE
    Referencia: em frente à emergência do Hospital São Francisco
    Tel: 88- 35214797
    OI- 88 98804 9571
    TIM 88- 99869 6652
    Claro: 88- 993076628
    Vivo: 88- 998106890




    Botox- Toxina botulínica: o fim dos pés de galinha

    Botox®, Dysport®, Xeomin® e Prosigne® são nomes comerciais da toxina botulínica, substância produzida pela bactéria causadora da doença botulismo.
    Inicialmente utilizada pela Oftalmologia e Neurologia para correção de contrações musculares involuntárias, há vários anos vem sendo usada na Dermatologia para a correção das rugas dinâmicas, com ótimos resultados.
    As rugas dinâmicas, ou rugas de expressão, são aquelas provocadas pela contração muscular da mímica facial, que leva, ao longo do tempo, à formação de vincos permanentes na pele.


    Como atua a toxina botulínica?
    A toxina botulínica atua impedindo a contração dos músculos faciais que dão origem às rugas. Com a interrupção da contração, ocorre o relaxamento muscular e as rugas se atenuam. Os principais locais da face onde pode ser utilizada são a região frontal (testa), a glabela (entre os supercílios) e região peri-orbitária (“pés de galinha”).


    Aplicação e resultados
    A aplicação da toxina botulínica deve ser realizada apenas por médicos e pode ser feita no consultório. A substância é injetada em pontos específicos dos músculos responsáveis pela mímica facial que estão causando as rugas. Estes pontos são selecionados de acordo com as características de cada pessoa, assim como a dose necessária para se obter o efeito desejado deve ser determinada individualmente.
    A aplicação em locais inadequados ou o uso de doses erradas pode acarretar resultados indesejados, como desvios musculares ou expressões de aspecto “artificial”, por isso, recomenda-se que o tratamento seja feito por médico capacitado e treinado.
    Por ser injetada com uma agulha muito fina, a maioria das pessoas relata que é perfeitamente suportável a sensação da picada. Pessoas mais sensíveis podem utilizar um creme anestésico, colocado 30 a 60 minutos antes do procedimento, para atenuar o incômodo.
    Os resultados começam a aparecer em cerca de 48 horas e atingem o efeito máximo em 2 semanas. O procedimento deve ser repetido a cada 4 meses para a sua manutenção. Este tempo pode variar de acordo com cada pessoa e o procedimento pode ser repetido diversas vezes.


    Efeitos colaterais
    Os efeitos colaterais são raros, mas pode ocorrer dor de cabeça leve e transitória logo após a aplicação e também a formação de pequena equimose (“mancha roxa”) no local de uma ou outra picada da agulha.
    A ptose palpebral (abaixamento da pálpebra superior) pode ocorrer em 1% dos casos, sendo reversível em cerca de 2 semanas. Para evitar riscos de ptose palpebral, quem se submete à técnica não deve se deitar ou manipular os locais da aplicação durante 4 horas após o procedimento.



    6 coisas que você precisa saber para tratar a queda de cabelo

    Sabe aquele momento em que você está escovando ou penteando os cabelos e, de repente, olha e vê aqueles fios na escova? Essa é uma das queixas mais comum nos consultórios dermatológicos: a queda de cabelos. Antes da preocupação, é necessário entender que nem sempre isto significa alguma doença do couro cabeludo ou nas madeixas. Pode simplesmente ser parte do ciclo natural do pelo, que consiste em fases de crescimento, transição, repouso e queda. Após essa queda “esperada” do fio de cabelo outro é reposto no lugar com as mesmas características. Então quando devemos nos preocupar com a queda?


    Devemos nos preocupar quando há um aumento na queda, diminuição no volume dos cabelos, afinamento dos cabelos, a presença de cabelos fracos e quebradiços, inflamações do couro cabeludo e áreas sem cabelos. Existem fatores internos e externos que podem ocasionar um aumento na queda capilar.
    – Dentre os fatores internos, destacam-se alterações nutricionais como carências alimentares, regimes prolongados e restritivos, alterações emocionais, como ansiedade e depressão, alterações hormonais, como em doenças da tireoide, alterações genéticas,  dermatite seborreica (a famosa caspa) e outras inflamações do couro cabeludo e dos cabelos

    Já entre os fatores externos, estão as agressões físicas ao fio de cabelo, desde a exposição ao sol, poluição, o desgaste natural das lavagens e secagens do cabelos, chapinhas, alguns alisamentos e agressões químicas como tinturas e alisamentos. A calvície feminina acomete cerca de 80% das mulheres após a puberdade e pode passar despercebida pela paciente por muitos anos. O diagnóstico precoce e o início do tratamento são importantes para evitar a progressão da doença. E para ajudar você a tratar o problema, o especialista responde algumas das principais dúvidas sobre a queda de cabelos


    1. Quais atitudes das mulheres podem piorar a queda de cabelos?
    É muito comum, com o aumento da queda de cabelos, a interrupção na lavagem, pois as pacientes ficam preocupadas com a quantidade que pode cair durante o banho. Essa atitude associada ao estresse causado pelo aumento da queda, pode piorar a dermatite seborreica, causando uma queda ainda mais acentuada.

    2. E a quebra dos fios? Como ocorre e por quê?
    A quebra dos fios é consequência de uma agressão importante do cabelo. Normalmente não é causada por um agente somente. O desgaste natural (sol, frio, poluição, lavagens, secagens, ato de pentear) associados às agressões químicas – como tinturas e alisamentos – podem causar a quebra e enfraquecimento do cabelos, pois destroem a estrutura básica do fio. Isso resulta em um cabelo sem brilho, opaco, quebradiço e fraco. O mais importante é a interrupção imediata das agressões
    3. Qual a consequência do uso de chapinha, secadores e babyliss nos cabelos?
    O uso prolongado e exagerado pode causar desgaste e quebra do fio, deixando os cabelos sem brilho e fracos, podendo levar até a um aumento da queda e posteriormente a uma perda capilar irreversível

    4. Quais os piores danos causados pelo uso de química, coloração e outros produtos no cabelo?
    Os piores danos são a destruição do fio, quebra e enfraquecimento.
    5. O que você sugere para as mulheres que estão sofrendo com queda ou quebra do cabelo?
    É muito importante descobrir o motivo da queda de cabelos para que seja iniciado o tratamento adequado o mais breve possível, além da interrupção das agressões químicas e físicas. Em ambos os casos é necessária a consulta com um dermatologista para o diagnóstico e tratamento adequado.
    6. Existem remédios, xampus ou vitaminas que podem ser usados nestes casos e realmente promovem melhora?
    Existem sim! Após um exame clínico com o especialista, a investigação adequada e a descoberta da causa, os tratamentos são efetivos e promovem a melhora. O importante é a identificação da causa, pois o tratamento vai variar de acordo com o problema apresentado. Por exemplo, no caso da calvície, tanto masculina quanto feminina, podemos usar medicações especificas através de loções, xampus e comprimidos. Em cabelos quebradiços e fracos, decorrentes de alterações nutricionais, por exemplo, o uso de vitaminas especificas e máscaras capilares hidratantes pode ajudar.

    Cisto sebáceo

    O que é Cisto sebáceo?
    O cisto sebáceo (conhecido também como cisto epidérmico, nome mais correto) caracteriza-se como um nódulo de tamanho variável, único ou múltiplo, de coloração da pele normal, esbranquiçados ou amarelados. A consistência pode ser dura, elástica, às vezes, com flutuação quando inflamado. Em alguns cistos observam-se um ponto central representando uma obstrução da unidade pilosebáceo que, à expressão elimina um material esbranquiçado (queratina). Esses cistos são benignos e podem aparecer em qualquer região do corpo, sendo mais comuns na face, no pescoço e no tronco. Os cistos traumáticos são mais frequentes nas palmas, plantas e nádegas.
    Os cistos são encontrados em adultos em ambos os sexos. Algumas doenças genéticas podem acompanhar estes tipos de cistos.

                                              

    Causas

    Os cistos sebáceos surgem da proliferação de células da pele produtoras de queratina dentro da derme. Podem originar-se da oclusão do folículo pilosebáceo, implantação de células da epiderme em locais mais profundos da pele por trauma ou a partir de células que desprendem das fendas embrionárias.
    Os cistos podem ocorrer inflamação secundária tornando-se dolorosos e avermelhados.

     Sintomas de Cisto sebáceo

    Os cistos sebáceos não apresentam sintomas, exceto quando se inflamam podem acompanhar-se de dor no local


    Buscando ajuda médica
    A maioria dos cistos sebáceos não causam problemas mais graves e nem precisam de tratamento. Recomenda-se procurar um dermatologista (médico que trata das doenças da pele, cabelos e unhas) se ocorrer uma das seguintes alterações:
    • Crescimento rápido
    • Romper-se, com liberação de material amarelado do seu interior ou se tornar doloroso quando inflamado
    • Ocorrer em local de trauma frequente podendo causar irritação
    • Por questões estéticas.

    Na consulta médica                        

    Marque uma consulta com um dermatologista e descreva seus sintomas detalhados e tire todas as suas dúvidas quanto aos sintomas que podem ocorrer e as possíveis causas. O médico poderá lhe fazer as seguintes perguntas:
    • Quando surgiram os primeiros sintomas?
    • Você notou o aparecimento de nódulos (caroços) na pele em outros locais de seu corpo? Onde?
    • Você já teve sintomas similares no passado?
    • Você já teve acne (espinha) grave?
    • Os cistos estão causando desconforto ou dor?
    • Os cistos estão lhe incomodando esteticamente?
    • Você sofreu alguma lesão na pele recentemente ou passou por algum tipo de cirurgia na área afetada?
    • Sua família tem histórico de acne ou de cistos?

    Tratamento de Cisto sebáceo
    O tratamento definitivo é cirúrgico com anestesia local para a retirada do cisto e da cápsula e sutura com fio mononylon. A recidiva pode acontecer se a cápsula não for retirada por completo. Se ocorrer inflamação e dor a drenagem é indicada. Quando apresentar infecção bacteriana a antibioticoterapia oral pode ser indicada. A injeção de Corticosteroide (cortisona) dentro do cisto pode diminuir o tamanho, prevenir a inflamação e dor.
    Os cistos tem crescimento lento, assintomático não sendo possível diminuir a sua progressão, mas podemos ajudar a prevenir a formação de cicatrizes e infecções adotando algumas medidas simples, como:
    • Não espremer o cisto. Consultar o médico para orientação
    • Colocar compressa quente quando inflamado pode ajudar a diminuir a dor e a eliminar o material purulento

    Convivendo/ Prognóstico
    Os cistos tem crescimento lento, assintomático não sendo possível diminuir a sua progressão, mas podemos ajudar a prevenir a formação de cicatrizes e infecções adotando algumas medidas simples, como:
    • Não espremer o cisto. Consultar o médico para orientação
    • Colocar compressa quente quando inflamado pode ajudar a diminuir a dor e a eliminar o material purulento

    Complicações possíveis                        

    As complicações que podem ocorrer na evolução de um cisto são: ruptura, infecção bacteriana, aumento de tamanho por trauma e dor. Os cistos sebáceos geralmente tem evolução benigna e a transformação maligna é rara, mas foram descritos casos de conjunção com tumores malignos (Carcinomas).

    Expectativas                        

    Cistos grandes e dolorosos podem interferir nas suas atividades diárias e prejudicar a autoestima, podendo também afetar a aparência.
    Se tratado corretamente, as chances de um cisto sebáceo evoluir para uma complicação mais grave são muito pequenas. Às vezes, o cisto não exige tratamento, mas o paciente pode optar se a presença dele estiver incomodando.




    O que é Acne?

    Acne é uma condição da pele que ocorre quando os folículos pilosos da peleficam obstruídos por sebo e células mortas, ficando colonizados por bactérias que geram inflamação. Acne mais comumente aparece no rosto, pescoço, peito, costas e ombros.
    Dependendo da gravidade, a acne pode causar sofrimento emocional e levar a cicatrizes na pele. A boa notícia é que existem tratamentos eficazes disponíveis – e quanto mais cedo é iniciado, menor é o risco de cicatrizes.

    Tipos
    Os diferentes tipos de acne incluem:

    Acne do recém-nascido


    Cerca de 20% dos recém-nascidos desenvolvem acne leve. Isso pode acontecer porque certos hormônios são passados para eles através da placenta por suas mães pouco antes do nascimento. Outra causa de acne em bebês é o estresse do parto, que pode fazer o corpo do bebê liberar hormônios. Recém-nascidos com acne geralmente tem lesões que desaparecem espontaneamente.

    Acne infantil


    Bebês entre três e 16 meses de idade podem desenvolver acne infantil. Eles podem ter cravos e espinhas. Acne infantil geralmente desaparece quando a criança chega aos dois anos de idade. As espinhas raramente deixam cicatrizes. Acne infantil pode ser causada, em parte, pelos níveis hormonais mais elevados do que o normal.

    Acne vulgar


    O tipo mais comum de acne é acne vulgar. Ela aparece com mais frequência em adolescentes e adultos jovens.

    Acne cística


    Acne conglobata é uma forma rara, mais grave, de acne. Ela ocorre principalmente em homens jovens. Na acne conglobata, espinhas grandes se desenvolvem no rosto, peito, costas, braços e coxas. Este tipo de acne pode ser difícil de tratar e muitas vezes deixa cicatrizes.

    Acne fulminante


    Acne fulminante é uma forma grave de acne conglobata, que ocorre mais em meninos adolescentes. Na acne fulminante, um grande número de espinhas se desenvolve muito rapidamente nas costas e no peito. Essas espinhas muitas vezes deixam cicatrizes graves. Pacientes com acne fulminante muitas vezes sofrem com febre e dor muscular e óssea.

    Causas

    Existem diferentes tipos de acne. A acne mais comum é o tipo que se desenvolve durante a adolescência. A puberdade faz com que os níveis hormonais fiquem elevados, especialmente a testosterona. Esses hormônios estimulam as glândulas da pele, que começam a produzir mais óleo (sebo).
    As crianças e os adultos mais velhos também podem ter acne.
    Superprodução de sebo na pele e concentração de células mortas nos folículos pilosos da pele estão entre as causas de acne. Esses fatores resultam em obstrução, com acúmulo de bactérias e inflamação.
    Os folículos pilosos estão ligados a glândulas sebáceas, que secretam uma substância oleosa, conhecida como sebo, para lubrificar o seu cabelo e pele. Quando o corpo produz uma quantidade excessiva de sebo e células mortas da pele, os dois podem se acumular nos folículos pilosos, criando um ambiente onde as bactérias podem prosperar.
    Esse cenário pode fazer com que o folículo se torne inchado e inflamado, acumulando pus, formando a espinha. Também pode acontecer de o folículo se abrir e escurecer, gerando um cravo, ou comedão.

    Fatores que podem piorar acne

    • Hormônios. Os andrógenos são hormônios que aumentam em meninos e meninas durante a puberdade, fazendo as glândulas sebáceas ampliarem e produzirem mais sebo. Alterações hormonais relacionadas com a gravidez e o uso de contraceptivos orais também pode afetar a produção de sebo
    • Certos medicamentos, como os corticoides, andrógenos ou a base de lítio são conhecidos por causar acne
    • Fatores dietéticos, incluindo ingestão excessiva de produtos lácteos e alimentos ricos em carboidratos - como pães, biscoitos e batatas fritas - pode desencadear acne.

    Mitos da acne

    Ao contrário do que algumas pessoas pensam, esses fatores têm pouco efeito sobre a acne:
    • Alimentos gordurosos e chocolate têm pouco ou nenhum efeito sobre o desenvolvimento ou curso da acne
    • Acne não é causada pela sujeira. Na verdade, esfregar a pele com muita força ou a limpeza com sabonetes abrasivos e produtos químicos irrita a pele e pode piorar a acne. Fazer uma simples limpeza da pele para remover o excesso de óleo e células mortas é tudo o que é necessário.

    Fatores de risco

    acne geralmente não é uma condição médica séria. Mas você pode querer procurar um dermatologista para tratar espinhas persistentes ou cistos inflamados, a fim de evitar cicatrizes ou outros danos à pele. Se a acne e as cicatrizes estão afetando seus relacionamentos sociais ou autoestima, você também pode querer perguntar a um dermatologista sobre o tratamento das cicatrizes existentes.
    Marque uma consulta médica se:
    • Você está preocupado com acne do seu filho ou sua
    • A acne piorar ou não melhorar depois de três meses com o tratamento em casa
    • Ocorrerem cicatrizes ou marcas depois de curar a acne
    • As espinhas se tornam grandes e duras ou preenchidas com fluido
    • Você começa a ter outros sintomas físicos, tais como o crescimento de pelos faciais em mulheres
    • A acne começou após o uso de um novo medicamento
    • Houve exposição a produtos químicos, óleos ou outras substâncias que causam irritação na pele.
    Você pode querer procurar ajuda médica mais cedo se houver um forte histórico familiar de acne, está emocionalmente afetado pela acne ou desenvolveu acne em uma idade precoce.

    Na consulta médica

    Especialistas que podem diagnosticar e tratar acne são:
    • Dermatologista
    Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:
    • Anote informações médicas tais como outras condições com as quais você foi diagnosticado e qualquer medicação que você está tomando, incluindo vitaminas e suplementos
    • Anote as informações pessoais importantes, incluindo quaisquer tensões principais ou mudanças de vida recentes.
    O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:
    • Quando a acne começou?
    • Alguma coisa em particular parecem desencadear um surto acne, como estresse ou ciclo menstrual?
    • Quais os medicamentos você ou seu filho toma, bem como vitaminas e suplementos?
    • Você usa contraceptivos orais?
    • Você tem períodos menstruais regulares?
    • Você está grávida, ou planeja engravidar em breve?
    • Que tipos de sabonetes, loções, produtos de cabelo ou cosméticos você usa?
    • Você tem história familiar de acne?
    • Que tratamentos você já tentou até agora? Algum tem sido eficaz?
    Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para acne, algumas perguntas básicas incluem:
    • Que tipo de tratamento você recomenda para mim?
    • Se o primeiro tratamento não funcionar, o que você vai recomendar a seguir?
    • Quais são os possíveis efeitos colaterais dos medicamentos que você prescreveu?
    • Quanto tempo eu posso usar com segurança os medicamentos?
    • Quanto tempo depois do início do tratamento os sintomas começam a melhorar?
    • Em quando você vai me ver novamente para avaliar se o tratamento está funcionando?
    • Existem medidas de autocuidado para melhorar os sintomas?
    • Você recomenda qualquer alteração minha dieta?Você recomenda quaisquer alterações nos produtos que estou usando, como xampus e cremes hidratantes?
    Diagnóstico de Acne
    O médico fará um exame físico e irá perguntar sobre seu histórico médico. Na maioria das vezes, não serão feitos testes especiais para acne. Pode ser que o médico peça outros exames, se suspeitar que a acne é um sintoma de outro problema médico.

    Tratamento da acne

    O tratamento da acne foca em reduzir a produção de óleo na pele, acelerar a renovação celular, combater à infecção bacteriana e reduzir a inflamação. Em alguns casos, a pele pode piorar antes de ficar melhor.
    O dermatologista pode recomendar um medicamento tópico - para aplicar na pele - ou medicações via oral, como Azitromicina e Roacutan. Medicamentos orais para acne não devem ser usado durante a gravidez, especialmente durante o primeiro trimestre.
    O tratamento da acne inclui:
    • Cremes tópicos de venda livre
    • Cremes tópicos disponíveis com prescrição
    • Antibióticos, que podem ser combinados com outros produtos tópicos ou orais
    • Contraceptivos orais
    • Isotretinoína oral
    • Procedimentos cosméticos, como peeling químico e microdermoabrasão, lasers, luz pulsada.

    Tratamento da cicatriz da acne

    É possível usar certos procedimentos para diminuir as cicatrizes deixadas pela acne. Veja:
    • Preenchimento facial com ácido hialurônico
    • Peelings químicos
    • Dermoabrasão
    • Microdermoabrasão
    • Laser e tratamentos de radiofrequência
    • Microcirurgias para retirar as cicatrizes de acne.

    Medicamentos para Acne

    Os medicamentos mais usados para o tratamento de acne são:
    Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

    Convivendo/ Prognóstico
    Cuidados em casa ajudam a tratar a acne:
    • Lave seu rosto e outras áreas afetadas uma ou duas vezes por dia
    • Não cutuque ou esprema as espinhas, pois isso pode causar infecções e inflamações
    • Evite tocar a pele com as mãos sujas ou objetos pouco higienizados
    • Mantenha seu cabelo limpo e longe do rosto, para evitar oleosidade
    • Use cremes, sabonetes, loções e géis para tratar a acne. Sempre leia atentamente a bula para garantir que você está usando o produto corretamente
    • Proteja sua pele dos raios solares, uma vez que alguns tratamentos podem reagir quando em contato com o sol.

    Complicações possíveis

    A acne não tratada pode causar feridas na pele, que se contaminadas acarretam em infecções. Em alguns casos, a acne pode causar cicatrizes na pele.

    Prevenção
    Você pode adotar alguns hábitos para prevenir a acne ou evitar que ela fique pior:
    • Lave gentilmente a pele todos os dias. Evitar esfregar com muita força ou lavar excessivamente
    • Evite suar muito se você acha que isso tornará a sua acne pior. Caso não seja evitável, higienize o rosto após a atividade
    • Lave seus cabelos com frequência e evite que eles fiquem muito oleosos
    • Evite produtos para cabelo (como gel, mousse, leave-in e pomada) que sejam muito oleosos
    • Evite tocar o rosto com frequência ou encostá-lo em objetos
    • Vista roupas leves e evite tecidos sintéticos
    • Evite a exposição da pele a óleos e outros produtos químicos.


    Câncer de pele: coceira e dor podem ser sinais

    De acordo com pesquisa da Temple University, na Philadelphia, coceira e dor em lesões suspeitas da pele podem indicar que a área pode ser um câncer de pele.
    Pesquisadores estudaram 339 lesões de câncer de pele de 268 pacientes, que foram perguntados sobre os sintomas das lesões. Cerca de 37% das lesões eram acompanhadas de coceira e 28% de dor.

    Para os médicos, uma simples pergunta aos pacientes sobre seus sintomas pode trazer informações adicionais na hora de avaliar lesões suspeitas, cuja natureza pode ser confirmada posteriormente por uma biópsia.


    Sintomas podem indicar maior agressividade do câncer de pele
    Pacientes com carcinoma espinocelular relataram maior ocorrência de dor, enquanto pacientes com carcinoma basocelular se queixaram mais de coceira.
    Foi notado, no estudo, que lesões que são muito dolorosas ou que apresentam intensa coceira, podem indicar uma forma mais agressiva do tumor. A coceira vem de fibras nervosas nas camadas mais superficiais da pele, onde carcinomas basocelulares são usualmente encontrados. Carcinomas espinocelulares podem penetrar mais profundamente na pele e provocar lesões mais dolorosas.

    No entanto, isso não quer dizer que toda lesão de pele que tenha coceira ou dor seja um câncer. Isso apenas deve ser levado em consideração para uma avaliação mais atenta nos casos suspeitos.
    Sintomas não são comuns no melanoma

    Dor e coceira foram mais prevalentes em pacientes com câncer de pele do tipo não-melanoma. O melanoma é um tumor muito menos comum que o carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular, mas é muito mais perigoso.

    Carcinoma basocelular
    O que é?
    O carcinoma basocelular (basalioma ou epitelioma basocelular) é um tumor maligno da pele. É o câncer da pele mais frequente, representando cerca de 70% de todos os tipos. Sua ocorrência é mais comum após os 40 anos de idade, nas pessoas de pele clara e seu surgimento tem relação direta com a exposição acumulativa da pele à radiação solar durante a vida. A proteção solar é a melhor forma de prevenir o seu surgimento.




    Por ser um tumor de crescimento muito lento e que não dá metástases (não envia células para outros órgãos), é o de melhor prognóstico entre os cânceres da pele. No entanto, pode apresentar característica invasiva e, com o seu crescimento, destruir os tecidos que o rodeiam atingindo até a cartilagem e os ossos.


    Manifestações clínicas do carcinoma basocelular
    A grande maioria das lesões aparece na face. O basalioma pode se manifestar de diversas formas mas em sua apresentação mais típica inicia-se como pequena lesão consistente, de cor rósea ou translúcida e aspecto “perolado”, liso e brilhante, com finos vasos sanguíneos na superfície e que cresce progressiva e lentamente.

    O carcinoma basocelular também pode apresentar pontos escuros e, na sua evolução, pode ulcerar (formar ferida) ou sangrar devido a pequenos traumatismos como o roçar da toalha de banho, podendo, com isso, apresentar uma crosta escura (sangue coagulado) na sua superfície
    Algumas lesões podem ser pigmentadas, com as mesmas características descritas acima porém de coloração escura (basocelular pigmentado), outras crescem em extensão atingindo vários centímetros sem contudo aprofundar-se nos tecidos abaixo dela (basocelular plano-cicatricial). A forma mais agressiva acontece quando o tumor invade os tecidos em profundidade (basocelular terebrante), com grande potencial destrutivo principalmente se atingir o nariz ou os olhos.

    Existem outras formas de apresentação do carcinoma basocelular e o diagnóstico deve ser feito por um profissional capacitado. Se você apresenta uma lesão de crescimento progressivo, que forma crostas na sua superfície ou sangra facilmente, procure um médico dermatologista para fazer uma avaliação.


    Tratamento
    O tratamento do carcinoma basocelular é na maioria das vezes cirúrgico, objetivando a retirada completa da lesão com margem de segurança. O tumor também pode ser tratado pela criocirurgia com nitrogênio líquido. Alguns tipos superficiais podem ser tratados pela terapia fotodinâmica ou imiquimod.

    Por ser um tumor que não envia metástases, o tratamento precoce leva à cura na maioria das vezes, daí a importância de se procurar um dermatologista em caso de uma lesão suspeita.

    Melanoma maligno

    O melanoma inicia-se como uma lesão escura que aumenta de tamanho em extensão e/ou profundidade, com alteração de suas cores originais, surgimento de pontos pigmentados ao redor da lesão inicial, ulceração (formação de ferida), sangramento ou sintomas como coceira, dor ou inflamação.

    Na fase inicial, o melanoma está restrito à camada mais superficial da pele, época ideal para realização do diagnóstico e tratamento pois, nesta localização, ainda não ocorre a disseminação de células tumorais à distância e a retirada completa do tumor tem altos índices de cura. É o melanoma “in situ”.
    Quando o melanoma deixa de ser plano, formando lesão elevada na pele, é sinal de que também está progredindo em profundidade. A profundidade atingida e a espessura da lesão são os parâmetros que definem a gravidade da lesão. Quanto mais profunda e espessa, mais grave, pois aumentam os riscos de metástases para outros órgãos.

    As lesões de melanoma apresentam características fáceis de se reconhecer aprendendo-se o ABCD do melanoma:
    ⦁ Assimetria: formato irregular
    ⦁ Bordas irregulares: limites externos irregulares
    ⦁ Coloração variada (diferentes tonalidades de cor)
    ⦁ Diâmetro: maior que 6 milímetros (o diâmetro de um lápis)

    Na foto abaixo os critérios do ABCD podem ser percebidos nitidamente.



    Sinais escuros que começam a adquirir características como estas acima podem estar se transformando em um melanoma, principalmente se estiverem em áreas de exposição contínua ao sol. A radiação ultra-violeta do sol pode estimular a transformação de nevos pigmentados em melanomas. A proteção solar é a melhor forma de prevenir o surgimento do melanoma maligno.
    Além disso, ao ABCD pode-se acrescentar ainda o E, de evolução. Qualquer alteração em sinais antigos, como: mudança da cor (para mais escuro ou mais claro) ou formato, aumento de tamanho, sangramento, coceira, inflamação ou surgimento de áreas pigmentadas ao redor do sinal justifica uma consulta ao dermatologista para avaliação.

    O melanoma pode se apresentar de diversas formas. O tipo mais comum de apresentação é o melanoma superficial extensivo (foto abaixo). De crescimento mais lento e horizontal, este tipo é mais facilmente identificado, facilitando o tratamento precoce e a cura.
    Outras formas de apresentação são o melanoma nodular primário, que tem crescimento em profundidade mais rápido e o lentigo maligno melanoma, tumor plano que ocorre mais frequentemente em pessoas acima de 60 anos de idade e aparece em áreas de grande exposição solar, principalmente a face.

    O melanoma acral é uma forma de apresentação na qual a localização do tumor é nos pés ou nas mãos. Uma apresentação mais rara é o melanoma amelanótico, quando o tumor não tem a coloração escura, o que dificulta bastante o diagnóstico clínico.

    Tratamento
    O tratamento do melanoma maligno é cirúrgico e deve ser realizado o mais precocemente possível de modo a se evitar a disseminação de metástases. O diagnóstico e o tratamento precoce são fundamentais para a cura.
    Quem possui lesões pigmentadas na pele com características suspeitas de melanoma deve procurar o seu dermatologista o quanto antes para uma consulta.